vendredi, mars 29, 2013

sobre a chuva

chove
farra de mosquitos brincando em meu quarto
refugiados de uma guerra aquática e de ventos desvairados
lá fora
e aqui desse lado da janela
tudo borra-se como um transformador de matéria esponjosa
embaça a visão
e meus 70% de água confundem-se
em milímetros de escassez ou profusão de sentimentos 
o nítido torna-se vago
o corpo, lasso
tento respirar aqui de meu escafandro

minha pele desfaz-se
com as gotas que nada aspiram
além
de
cair
como se ordem suprema as ordenasse
que chover nas plantas
ou furar o bloqueio do vidro
missão de vida ou morte fosse

de qualquer suma importância
acho graça
do canto da boca, um traço
a chuva intermitente me faz contente
acolhido, aprecio
e, talvez, quem sabe
ganhe o embate.

3 commentaires:

  1. só pra tu saber: enfeitou o meu domingo.

    RépondreSupprimer
  2. me alegra muito saber disso, raíssa (:

    RépondreSupprimer
  3. Olá, esse é meu blog "Leitura com Gordices" e eu queria pedir pra vocês darem uma passadinha lá e dizerem o que acham da nossa ideia ;)
    http://leituracomgordices.blogspot.com.br/
    bjs

    RépondreSupprimer